Análise documental sobre os suicídios ocorridos na região de jundiaí entre 2004 e 2014

  • Felipe Augusto Cunha Universidade São Francisco.
  • Makilim Nunes Baptista Universidade São Francisco. http://orcid.org/0000-0001-6519-254X
  • Lucas de Francisco Carvalho Universidade São Francisco.
Palabras clave: Análise documental, suicídio, mortalidade, Suicide, Mortality,

Resumen

INTRODUÇÃO: O suicídio é considerado um problema de saúde pública no Brasil, por isso a importância de realizar estudos documentais para obter dados referente a uma determinada região, sobre os casos de suicídio. OBJETIVO: Obter dados sociodemográficos e números de mortes por suicídio relacionados na região de Jundiaí. MÉTODO: Para esse estudo foram utilizados laudos de suicídio (total 175) do IML de uma cidade do interior do estado de São Paulo que também é responsável por mais nove cidades pertencentes da região de Jundiaí, entre os anos de 2004 e 2014. Foram analisados dados sociodemográficos como ano, sexo, idade, localidade (urbana/rural), estado civil e o método utilizado na morte. RESULTADOS: O suicídio foi mais prevalente no sexo masculino (82,0%) no meio urbano (87,4%), seguido da faixa etária mais atingida de 20 a 40 anos para ambos os sexos. O estado civil com maior prevalência de suicídio foram os solteiros (43,4%) e o método mais utilizado foi o enforcamento, tanto para os homens (80,9%) quanto para as mulheres (60,7%). Dentre os 11 anos pesquisados, os laudos que tiveram o maior número de morte por suicídios foram correspondentes aos anos de 2014, com 44 laudos, e o ano de 2013 com 34 laudos. CONCLUSÕES: Os resultados indicaram que os dados encontrados foram ao encontro da literatura, mostrando que o perfil sociodemográfico aferido na pesquisa era esperado. Portanto verifica-se a importância de estudos com esse cunho de prevalência para criar meios de políticas públicas pautadas na prevenção do suicídio no Brasil. INTRODUCTION: Nowadays, suicide has been labeled as a public health problem in Brazil. Therefore, documentary research that brings light on this issue in several regions is not only relevant, but also necessary. OBJECTIVE: To obtain sociodemographic data and suicide statistics in the Jundiai area. METHOD: 175 suicide reports ranging from 2004 to 2014, from the Instituto Médico Legal in a city from São Paulo State in the Judiani area were consulted. Data such as year, sex, age, location (urban or rural), marital status and modus operandi from the victims were analyzed. RESULTS: Suicide is more frequent in males (82,00 %), and in the city (87,4 %). Age in suicide cases ranges from 20 through to 40 years old for both sexes. Suicide is more frequent in single people (43,4 %). Hanging is the most common method for males (80,9 %) as well as for females (60,7 %). The highest numbers of suicide cases were reported in 2014 (44 cases) and 2013 (34 cases) respectively. CONCLUSIONS: These results and the average profile of a person committing suicide match previous research and the literature in the field. This study emphasizes the importance of this type of research which serves as scenario to promote prevention of suicide in Brazil.

Citas

Baptista, M. N. (2004). Suicídio e depressão: atualizações. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Baptista, M. N., Carneiro, A. M., Gomes, J. O., & Cardoso, H. F. (2012). Análise Epidemiológica do Suicídio em duas Regiões do Estado de São Paulo entre 2004 e 2008. Psicologia em Pesquisa, 01, pp. 2-12.

Baptista, M. N. & Borges, A. (2005). Suicídio: aspectos epidemiológicos em Limeira e adjacências no período de 1998 a 2002. Estudos de Psicologia, 22(4). Campinas- SP.

Bertolote, J. M. (2012). O suicídio e sua prevenção. São Paulo, SP: Ed. Unesp.

Botega, N.J. (2015). Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre: Artmed.

Bezerra, J. G. F., Werneck, G. L., Almeida, R. L., Oliveira, M. I., & Magalhães, F. B. (2012). Estudo ecológico sobre os possíveis determinantes socioeconômicos, demográficos e fisiográficos do suicídio no Estado do Rio de Janeiro, Brasil, 1998-2002. Cad. Saúde Pública, 5, pp. 833-844.

Botega, N. J. (2014). Comportamento suicida: epidemiologia. Psicologia USP, 23(3), 231-236.

Correa, H., & Barrero, S. P. (2006). O suicídio ao longo dos tempos. São Paulo, Atheneu.

DATASUS. (2014). Retirado 15 de Agosto de 2015, de http://datasus.saude.gov.br/nucleosregionais/minas-gerais/noticias-minasgerais.

Dutra, E. (2012). Suicidio de universitarios: o vazio existencial de jovens na. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 12(3), pp. 924-937.

Hawton, K., Comabella, C. C., Haw, C. & Saunders, K. (2013). Risk factors for suicide in individuals with depression: A systematic review. Journal of affective, 147, pp. 17-28.

IBGE. (2014). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Retirado 12 de Outubro de 2015, de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm.

Lovisi, G. M., Santos, S. A., Legay, L., Abelha, L., & Valencia, E. (2009). Análise epidemiológica do suicídio no Brasil entre 1980 e 2006. Ver. Bras. Psiquiatr. pp. 86-94

Macente, L. B., & Zandonade, E. (2012). Spatial distribution of suicide incidence rates in municipalities in the state of Espírito Santo (Brazil), 2003-2007: spatial analysis to identify risk areas. Rev Bras Psiquiatr. 34, pp. 261-269.

Miret, M., Ayuso-Mateos, J. C., SanchezMoreno, J. & Vieta, E. (2013). Depressive disorders and suicide: epidemiology, risk factors and burden. Neuroscience and Biobehavioral Reviews. 37, pp. 2372-2374

Ministério da Saúde (2009). Prevenção do suicídio: manual dirigido a profissionais da saúde da atenção básica. Brasília. Retirado 21 de Setembro de 2015, em HYPERLINK http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manu_prevencao240111.pdf

Moreira, L. C., & Bastos, P. R. (2015). Prevalência e fatores associados à ideação suicida na adolescência: revisão de literatura. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 19(3), 445-453.

Organização Mundial de Saúde - OMS. (2000). Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas.

Organização Mundial de Saúde (2014). Relatório sobre a Saúde Mental no Mundo. Genebra: OMS.

Parente, A. d., Soares, R. d., Araújo, A. R., Cavalcante, I. S., & Monteiro, C. F. (2007). Caracterização dos casos de suicídio em uma capital do Nordeste Brasileiro. Revista Brasileira de Enfermagem, 4, pp. 377-381.

Pordeus, J. M. A., Cavalcanti, L. P. G., Vieira, L. J. S, Coriolano, L. S., Osório, M. M, Ponte, M. S. R., & Barroso, S. M. C. (2007). Tentativas e óbitos por suicídio no município de Independência, Ceará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 5, pp. 1731-1740.

Suicídio: informando para prevenir / Associação Brasileira de Psiquiatria (2014). Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. Brasília: CFM/ABP.

Viana, G. N., Zenkner, F. M., Sakae, T. M. & Escobar, B. T. (2008). Prevalência de suicídio no Sul do Brasil, 2001-2005. J. Bras. Psiquiatr. 57(1), 38-43.
Publicado
2016-12-19
Cómo citar
Cunha, F., Nunes Baptista, M., & Carvalho, L. de. (2016). Análise documental sobre os suicídios ocorridos na região de jundiaí entre 2004 e 2014. Salud & Sociedad, 7(2), 212-222. https://doi.org/10.22199/S07187475.2016.0002.00006
Sección
Artículos

Artículos más leídos del mismo autor/a