Uso de crack no Brasil e factores psicossociais que antecedem esta tomada de decisão

  • Márcio Mariano Moreira Universidade Federal de São Paulo
  • Ronaldo Laranjeira Universidade Federal de São Paulo
  • Sandro Sendin Mitsuhiro Universidade Federal de São Paulo

Resumen

   

Citas

Andrade, T. M.(2011). Reflexões sobre Políticas de Drogas no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 16(12), 4665-4674. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n12/15.pdf

Berger, P. L., & Luckmann, T. (1997). Modernidad, pluralismo y crisis de sentido: la orientación del hombre moderno. Paidós: Barcelona.

Bertoni, N., Burnett, C., Cruz, M. S., Andrade, T., Bastos, F., Leal, E., & Fischer, B.(2014). Exploring sex differences in drug use, health and service use characteristics among young urban crack users in Brazil. International Journal for Equity in Health, 13(70), 1-11. Disponível em http://www.equityhealthj.com/content/13/1/70

BRASIL. (2001). Lei 10.216/01. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm

BRASIL. (2004). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. SVS/CN-DST/AIDS. A Política do Ministério da Saúde para Atenção Integral a Usuários de Álcool e outras Drogas/Ministério da Saúde. 2ª ed. revisão ampliada –Brasília: Ministério da Saúde.

BRASIL. (2006). LEI Nº 11.343/06. Presidência da República-Casa Civil-Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm

Büchele, F., Coelho, E. B. S., & Lindner, S. R. (2009). A promoção da saúde enquanto estratégia de prevenção ao uso das drogas. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 267-273. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232009000100033

Cardoso, L.R. D., & Malgebier, A. (2014). A influência dos amigos no consumo de drogas entre adolescentes. Estudos de Psicologia Campinas I, 31(1), 65-73. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v31n1/a07v31n1.pdf

Ciampa, A. C. (1998). A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio de psicologia social. São Paulo: Brasiliense.Cunha, P. J. (2007). Avaliação clínica de usuários de dependentes de cocaína. In Cordeiro, D., Figlie, N. B., & Laranjeira, R. Boas práticas no tratamento do uso de dependênciade substâncias. São Paulo: Roca. Del Roio, J. L.(1997). Mundialização e criminalidade. In Ribeiro, M. M., & Seibel, S. D. Drogas, hegemonia do cinismo. São Paulo: Memorial.

Duailibi. S., & Laranjeira, R. (2007). Políticas públicas relacionadas às bebidas alcoólicas. Rev Saúde Pública, 41(5), 839-48. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v41n5/6462.pdf

FIOCRUZ – Fundação Oswaldo Cruz. (2014). Pesquisa Nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras?Orgs: Francisco Inácio Bastos, Neilane Bertoni. Rio de Janeiro: Editora ICICT/FIOCRUZ.Furlaneto, F., Dias, A. M, Sousa, C. V., & Akiba, H, T. (2013). Tendências metodológicas em marketing: entre as contribuições dos grupos focaisas abordagens contemporâneas. Ciências & Cognição, 18(2), 102-114. Disponível em http://www.cienciasecognicao.org/revista/index.php/cec/article/view/828/pdf_1

Gigliotti, A., Ribeiro, M., Aguilera, A. T., Rezende E., & Perrenoud, L. O. (2014). Paradigms of Public Policies for Licit and Illicit Drugs in Brazil, Substance Abuse, 35(3), 292-297. DOI: 10.1080/08897077.2014.917351

Godoi, R. N., & Castro S. R. M. (2014). Fronteiras abertas. Disponível em http://sindireceita.org.br/fronteirasabertas/o-livro/

Goffmann, E. (1998). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

Gomide, R. (2014). Preço da maconha no Rio contraria economia e não sobe. Disponível em http://www.antidrogas.com.br/mostranoticia.php?c=6288&msg=Pre%E7o%20da%20maconha%20no%20Rio%20contraria%20economia%20e%20n%E3o%20sobe

Habermas, J. (1983). Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Brasiliense.

INPAD -Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas. (2012). II Levantamento Nacional de Álcool e Drogas.São Paulo: UNIFESP.

Koller, K., Luiz, T. S. C., Vianna Filho, P. T., Granato, J. P., Silva, C. J., & Ribeiro, M. (2012) In. Ribeiro, M., & Laranjeira, R. Tratamento do usuário de crack. Porto Alegre: Artmed, 265-290.

Licata, S. C., & Renshaw, P. (2012). Neurochemistry of Drug Action: Insights from proton magnetic resonance spectroscopic imaging and their relevance to addiction. Annals of the New York Academy of Sciences, 1187,148–171. DOI:10.1111/j.1749-6632.2009.05143.x

Lima, A. F., Gonçalves Neto, J. U., & Lima. M. S. (2011). Las leyes de drogas en Brasil y su relación en la producción de políticas de identidad: un análisis de los procesos de estigmatización y promoción de la alteridad, desde la perspectiva de la psicología social crítica. Salud & Sociedad, 2(2), 135 –149. Disponível em http://revistas.ucn.cl/index.php/saludysociedad/article/view/814/658

Maciel, L. C. (1980). Satre: vida e obra. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra.

Marques. A. C. P. R., & Ribeiro, M. (2006). Guia prático sobre o uso, abuso e dependência de substâncias psicotrópicas para educadores e profissionais de saúde. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.

Marshall, A. (1996). Princípios de economia –tratado introdutório. 10ª ed. (Trad. Rômulo Almeida e Ottolmy Strauch). Vol. 1. São Paulo: Ed. Nova Cultural. (Obra originalmente publicada em 1946).

Mingardi, G. (1997). Tráfico de drogas e crime organizado. In Ribeiro, M. M., & Seibel, S. D. (1997). Drogas, hegemonia do cinismo. São Paulo: Memorial.

Moreira, M. M., Barbosa, G. L., Laranjeira, R., & Mitsuhiro, S. S. (2014). Alcohol and crack/cocaine use in women: a 14-year cross-sectional study. Journal of Addictive Diseases, 33,9–14. DOI: 10.1080/10550887.2014.882726

Narvaez, J. C. M., Jansen, K., Pinheiro, R. T., Kapczinski, F., Silva, R. A., Pechansky, F., & Magalhães, P. V. S. (2014). Violent and sexual behaviors and lifetime use of crack cocaine: a population-based study in Brazil. Soc Psychiatry Psychiatr Epidemiol, 49, 1249-1255. DOI 10.1007/s00127-014-0830-3

Ninis, A. B., & Bilibio, M. A. (2012). Homo sapiens, homo demens e homo degradandis: a psiquê humana e a crise ambiental. Psicologia & Sociedade, 24(1), 46-55. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822012000100006

Oliveira, L. G., & Nappo, S. A. (2008). Crack na cidade de São Paulo: acessibilidade, estratégias de mercado e formas de uso. Revista de Psiquiatria Clínica, 35(6), 212-218. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rpc/v35n6/v35n5a02.pdf

Raup, L. M., & Adorno, R. C. F. (2011). Jovens em situação de rua e usos de crack: um estudo etnográfico em duas cidades. Revista brasileira adolescência e conflitualidade, 4, 52-67. Disponível em http://www.pgsskroton.com.br/seer/index.php/adolescencia/article/view/243

Ribeiro, M., Nudelmann, E. D., Rezende, E. P., & Yamagushi, R. (2012). Farmacologia do consumo de crack. In Ribeiro, M., & Laranjeira, R. Tratamento do usuário de crack.Porto Alegre: Artmed, 116-142.

Ribeiro, M., Perrenoud, L. O., Dualibi, S., Dualibi, L. B., Madruga, C. Marques, A. C. P. R., & Laranjeira, R. (2014). The Brazilian Drug Policy Situation: The Public Health Approach Based on Research Undertaken in a Developing Country. Public Health Reviews, 35(2), 1-32. Disponível em https://link.springer.com/article/10.1007/BF03391706

Rui, T. (2014). Usos da “Luz” e da “cracolândia”: etnografia de práticas espaciais. Saúde Soc. São Paulo, 23(1), 91-104. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902014000100007

Schenker, M., & Minayko, M. C. (2005). Risk and protective factors and drugs use among adolescence. Ciência & Saúde Coletiva, 10(3), 707-717. Disponível em www.scielo.br/pdf/csc/v10n3/a27v10n3.pdf

SENAD -Secretaria Nacional Antidrogas. (2006). II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país: 2005/ E. A. Carlini. (supervisão) [et al.]. São Paulo: CEBRID -Centro Brasileiro de Informação sobre Drogas Psicotrópicas -UNIFESP -Universidade Federal de São Paulo.

Senado Federal. (2011). Crack assusta e revela um Brasil despreparado: proliferação de cracolâncias mobiliza Senado a buscar melhorias na assistência prestada pelo Estado e pela sociedade aos usuários de drogas. Brasilia -DF, Secretaria Especial de Editoração e Publicações –Seep.

Teixeira, V. M., & Anselmo, R. C. M. S. (2011). Integração e Conflitos na Região Amazônica. Revista de Geopolítica, 2(1), 57–76. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/horizontecientifico/article/view/8062

United Nations. (2013). World drug report 2013. Vienna -New York: UNODC.

Vargens, R. W., Cruz, M. S., & Santos, M. A. (2011). Comparação entre usuários de crack e de outras drogas em serviço ambulatorial especializado de hospital universitário. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 19, 804-812. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=281421968018

Winters, K. C., & Lee, C-Y.S. (2008). Likelihood of developing an alcohol and cannabis use disorder during youth: Association with recent use and age. Drug Alcohol Depend, 92(1-3), 239–247. DOI:10.1016/j.drugalcdep.2007.08.005

Zilio, J. L. (2012). El derecho penal de las drogas. Revista Crítica Penal y Poder, 3, 104 –120. Disponível em http://revistes.ub.edu/index.php/CriticaPenalPoder/article/view/3730/6728

Publicado
2018-01-26
Cómo citar
Mariano Moreira, M., Laranjeira, R., & Sendin Mitsuhiro, S. (2018). Uso de crack no Brasil e factores psicossociais que antecedem esta tomada de decisão. Salud & Sociedad, 8(3), 254-261. Recuperado a partir de http://revistas.ucn.cl/index.php/saludysociedad/article/view/2652
Sección
Artículos