A metamorfose da identidade de vítimas de estupro

  • Aluísio Ferreira Lima Universidade Federal do Ceará
  • Mariana Gonçalves Farias Universidade Federal do Ceará
  • Lia Wagner Plutarco Universidade Federal do Ceará

Resumen

Na atualidade, os crimes de estupro são responsáveis por estatísticas importantes, mesmo que os casos sejam subnotificados. Tem-se uma realidade em que as vítimas desta violência são, em sua maioria, culpabilizadas pelo estupro, por meio de variáveis como hábitos, vestimentas e comportamentos, como a roupa que estavam usando no momento em que o crime ocorreu, por exemplo. O objetivo desse artigo é apresentar alguns dos aspectos relacionados à produção identitária das vítimas de estupro, a fim de discutir os efeitos da culpabilização da vítima neste processo. Para tanto, foi utilizado o método teórico-interpretativo, cuja investigação realizou-se mediante a articulação entre a produção bibliográfica sobre o tema e a teoria da identidade metamorfose, desenvolvida no campo da Psicologia Social Crítica brasileira. Os resultados dessa articulação evidenciaram graves implicações psicológicas para a vítima decorrentes da culpabilização da violência sexual sofrida, resultantes das políticas de identidade de nossa sociedade. Concluiu-se que a teoria de identidade metamorfose pode contribuir para a análise crítica do tema, de modo a apresentar os efeitos da culpabilização das vítimas e as possibilidades de enfrentamento do estupro, por parte das mulheres.

Biografía del autor

Aluísio Ferreira Lima, Universidade Federal do Ceará
Departamento de Psicología.
Mariana Gonçalves Farias, Universidade Federal do Ceará
Departamento de Psicología.
Lia Wagner Plutarco, Universidade Federal do Ceará
Departamento de Psicología.

Citas

Basow, S. A., & Minieri, A. (2011). “You owe me”: Effects of date cost, who pays, participant gender, and rape myth beliefs on perceptions of rape. Journal of interpersonal violence, 26(3), 479-97.doi: https://doi.org/10.1177/0886260510363421

Borelli, V., & Dias, M. S. M. (2016).Narrativas privadas em espaços públicos digitais: relatos de estupro na página Projeto Fênix no Facebook. Razón y Palabra,20(3), 1153-69. Recuperado de http://www.revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/798

Carreiro, A. A. G. (2012). Perfil dos criminosos sexuais de um presídio do estado do Paraná.(Dissertação de Mestrado). Universidade Tuiti do Paraná, Curitiba, Brasil. Recuperado de http://localhost:8080/tede/handle/tede/930

Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública [CRISP]. (2013). Pesquisa Nacional de Vitimização.Belo Horizonte, Crisp/UFMG. Recuperado de http://www.crisp.ufmg.br/wp-ontent/uploads/2013/10/Sumario_SENASP_final.pdf

Ciampa, A. C. (1998). Identidade humana como metamorfose: a questão da família e do trabalho e a crise de sentido no mundo moderno.Interações: estudos e pesquisa em psicologia, 3(6), 87-101.

Ciampa, A. C. (1987). A estória do Severino e a história da Severina. São Paulo: Brasiliense.

Gannon, T. A., & Alleyne, E. K. A. (2012). Female sexual abusers' cognition: a systematic review. Trauma, Violence & Abuse, 14(1), 67-79.doi: https://doi.org/10.1177/1524838012462245

George, W. H., & Martínez, L. J. (2002). Victim blaming in rape: effects of victim and perpetrator race, type of rape, and participant racism. Psychology of Women Quarterly, 26(2), 110-9.doi: https://doi.org/10.1111/1471-6402.00049

Gonçalves Neto, J. U., & Lima, A. F. (2011). A história de Maria, uma jovem que se tornou uma cuidadora-que-fala-confronta-e-esclarece: uma análise do processo de metamorfose na perspectiva da Psicologia Social. Psicología, Conocimiento y Sociedad, 3, 30-51. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/4758/475847405003/

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada [IPEA]. (2014). Tolerância social à violência contra as mulheres. Acesso em 20 de outubro de 2017. Recuperado de http://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=21971&catid=10&Itemid=9

Ley, A. (2015). Does gender injustice exist following the recommendation of the Corston report (2007)?: a study of the vulnerabilities of domestic abuse, sexual abuse, rape and poverty. (Dissertação de Mestrado). Faculty of Humanities and Social Sciences, University of Portsmouth. Recuperado de Lima, A. F.(2010). Metamorfose, anamorfose e reconhecimento perverso: a identidade na perspectiva da Psicologia Social Crítica.São Paulo: FAPESP EDUC.

Lima, A. F. & Ciampa, A. C. (2012). Metamorfose humana em busca de emancipação: a identidade na perspectiva da Psicologia Social Crítica. In A. F., Lima (Org.). Psicologia Social Crítica: Paralaxes do Contemporâneo. Porto Alegre: Sulina. p. 11-29.

Martin, S. L., Macy, R. J., & Young, S. K. (2011).Health and economic consequences of sexual violence. In White, J. W., Koss, M. P., Kazdin, A. E. (Ed). Violence against women and children. (pp. 173-95). Washington, DC, US: American Psychological Association.

Miranda, S. F. (2014). Identidade sob a perspectiva da psicologia social crítica: revisitando os caminhos da edificação de uma teoria. Revista de Psicologia, 5(2), 124-37. Recuperado de http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/17879

Organização Mundial de Saúde [OMS]. (2014). Global status report on violence prevention.Genebra: OMS.

Pacheco, K. M. B., & Ciampa, A. C. (2006). O processo de metamorfose na identidade da pessoa com amputação. Acta Fisiátrica, 13(3), 163-7. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/actafisiatrica/article/view/102746

Paulino-Pereira, F. C., Valuta, P. M., & Soares, S. R. (2012). Identidade e sobrevivência do suicídio com fogo. Perspectivas em Psicologia, 16(1), 173-89. Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/perspectivasempsicologia/article/view/27555

Scarpati, A. S., Guerra, V. M.,& Duarte, C. N. B. (2014). Adaptação da Escala de Aceitação dos Mitos de Estupro: evidências de validade. Avaliação Psicológica, 13(1), 57-65. Recuperado de http://www.redalyc.org/html/3350/335030683008/

Silva, G. D. S. (2007). Reconstruindo o cotidiano: ruptura e normalização na trajetória de vítimas de violência sexual. (Tese de doutorado).Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador. Recuperado de http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/19821

Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública [SINESP]. (2014). Estatísticas Criminais. Recuperado de http://sinesp.mj.gov.br/sinesp

Sousa, R. F. (2017). Cultura do estupro: prática e incitação à violência sexual contra mulheres. Estudos Feministas,25(1), 9-29.doi: http://dx.doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n1p9

Sudário, S., Almeida, P. C., Jorge, M. S. B. (2005). Mulheres vítimas de estupro: contexto e enfrentamento dessa realidade. Psicologia & Sociedade,17(3), 73-9. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/psoc/v17n3/a12v17n3

Tsai, A. C., Wolfe, W. R., Kumbakumba, E.,Kawuma, A., Hunt, P. W., Martin,...Weiser,S. D. (2016). Prospective study of the mental health consequences of sexual violence among women living with HIV in rural Uganda. Journal of interpersonal violence, 31(8), 1531-53.doi: https://doi.org/10.1177/0886260514567966

Van Der Bruggen, M., Grubb, A. (2014). A review of the literature relating to rape victim blaming: an analysis of the impact of observer and victim characteristics on attribution of blame in rape cases. Aggression and violent behavior, 19(5), 523-31.doi: https://doi.org/10.1016/j.avb.2014.07.008

Varella, M. F. (2014). A cultura do estupro. Recuperado de https://drauziovarella.com.br/para-as-mulheres/a-cultura-do-estupro/

Publicado
2018-01-26
Cómo citar
Ferreira Lima, A., Gonçalves Farias, M., & Wagner Plutarco, L. (2018). A metamorfose da identidade de vítimas de estupro. Salud & Sociedad, 8(3), 264-274. Recuperado a partir de http://revistas.ucn.cl/index.php/saludysociedad/article/view/2653
Sección
Artículos