Comprensión del actual proceso de medicalización en el contexto de la salud mental

Palabras clave: Medicalización, Salud mental, Atención psicosocial

Resumen

Objetivo: La medicalización es comprendida como un proceso en el que ocurre una transformación de cuestiones sociales, culturales u otros asuntos en problemas individuales y orgánicos que necesitan de intervención médica, siendo considerado un fenómeno contemporáneo. Esta investigación se propuso realizar una revisión de literatura sistemática acerca del fenómeno de la medicalización relacionada al contexto de la salud mental. Método: La búsqueda de artículos fue realizada en la base de datos Scielo y Pepsic, para el período que comprende del año 2000 hasta 2015, utilizando los siguientes descriptores: medicalización, saludmental y reforma psiquiátrica. El análisis de los datos fue contemplado por el referencial analítico-institucional, auxiliado en la composición de dos líneas analíticas. Resultados: En la primera de ellas, buscamos identificar las comprensiones acerca de la medicalización y discutimos las diferencias entre medicalización y medicamentalización. En la segunda línea buscamos mapear las fuerzas que atraviesan el proceso de medicalización, destacando el saber biomédico, psiquiatría biológica e industria farmacéutica, participación social y modelos de atención. Conclusión:Concluimos que el concepto de medicalización, en sus diferentes matices, posibilita movimientos de desnaturalización de las prácticas en salud mental, permitiendo interrogar las relaciones de saber y poder establecidas.

Citas

Affonso, P. H. B., & Bernardo, M. H. (2015). A vivência de profissionais do acolhimento em unidades básicas de saúde: uma acolhida desamparada.Trabalho, Educação e Saúde,13(1), 23-43.

Almeida Peres, M. A. D., Alencar Barreira, I. D., Franco Santos, T. C., Almeida Filho, A. J. D., & Barbosa de Oliveira, A. (2011). O ensino da psiquiatria e o poder disciplinar da enfermagem religiosa: o hospício de Pedro II no segundo reinado.Texto & Contexto Enfermagem,20(4).

Alves, V. L. P., Lima, D. D., Rivorêdo, C. R. S. F. D., & Turato, E. R. (2013). Emoção e soma (des)conectadas em páginas de revista: as categorias temáticas do discurso prescritivo sobre os fenômenos da vida e da doença. Ciência & Saúde Coletiva,18, 537-543.Amarante, P. & Freitas, F. (2015). Medicalização em Psiquiatria. Rio de janeiro: Fiocruz.

Baremblitt, G. F. (1996).Compêndio de Análise Institucional e Outras Correntes: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Baroni, D. P. M., Vargas, R. F. S., & Caponi, S. N. (2010). Diagnóstico como nome próprio. Psicologia & Sociedade, 22(1), 70-77.

Beltrame, M. M., & Boarini, M. L. (2013). Saúde mental e infância: reflexões sobre a demanda escolar de um CAPSi.Psicologia: Ciência e Profissão,33(2), 336-349.

Bezerra, I. C., Jorge, M. S. B., Gondim, A. P. S., Lima, L. L. D., & Vasconcelos, M. G. F. (2014). "Fui lá no posto e o doutor me mandou foi pra cá": processo de medicamentalização e (des) caminhos para o cuidado em saúde mental na Atenção Primária.Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 18, 61-74.

Collares, C. A. L. & Moysés, M. A. A. (2015). Dislexia e TDAH: uma análise a partir da ciência médica. Medicalização de Crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela reduçãode problemas sociais a doenças de indivíduos.(p. 71-110). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Conselho Regional de Psicologia. (2015) Medicalização de Crianças e Adolescentes: Conflitos Silenciados Pela Redução de Questões Sociais a Doenças de Indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Consoli, G. L., Hirdes, A., &Costa, J. S. D. D. (2009). Saúde mental nos municípios do Alto Uruguai, RS, Brasil: um diagnóstico da reforma psiquiátrica. Ciência & Saúde Coletiva,14, 117-128.

Cordeiro, A.M., Oliveira, G. M., Rentería, J.M., & Guimarães, C. A. (2007). Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões,34(6), 428-431.

Costa-Rosa, A. O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. Em P. Amarante (Org), Ensaios: Subjetividade, Saúde Mental, Sociedade (pp. 141-168). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2000.

Cruz, M A. S. (2015). Desafios da clínica contemporânea: novas formas de “manicomialização”. Medicalização de Crianças e Adolescentes: Conflitos Silenciados Pela Redução de Problemas Sociais a Doenças de Indivíduos(p. 17-25). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dorigatti, A E., Aguilar, M. L., Madureira, R. M., Fonseca, F. G., Campos, R. T. O., & Nascimento, J. L. (2014). Projeto terapêutico singular no âmbito da saúde mental: uma experiência no curso de graduação em medicina. Revista Brasileira de Educação Médica,38(1), 113-119.

Ferrazza, D. D. A., Rocha, L. C. D., & Luzio, C. A. (2013). Medicalização em um serviço público de saúde mental: um estudo sobre a prescrição de psicofármacos.Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 255-65.

Ferrazza, D. D. A., Luzio, C. A., Rocha, L. C. D., & Sanches, R. R. (2010). A banalização da prescrição de psicofármacos em um ambulatório de saúde mental.Paidéia (Ribeirão Preto), 381-390.

Foucault, M. (2006). O nascimento do hospital. Em M. Foucault, Microfísica do poder (p. 99–112). Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (2002). Históriada Loucura. São Paulo: Perspectiva.

Gomes, F. M. D. A., Cintra, A. M. D. O., Ricas, J., & Vecchia, M. D. (2015). Saúde mental infantil na atenção primária à saúde: discursos de profissionais médicos.Saúde e Sociedade,24, 244-258.

Gryschek, G., & Pinto, A. A. M. (2015). Saúde Mental: como as equipes de Saúde da Família podem integrar esse cuidado na Atenção Básica? Ciência & Saúde Coletiva,20, 3255-3262.

Guerra, E. L. A. (2014). Manual de Pesquisa Qualitativa. Belo Horizonte: Grupo Ânima Educação.

Jerusalinsky, A., Fendrik, S.(2011). O livro negro da Psicopatologia Contemporânea. São Paulo: Via Lettera.

Knobloch, F. (2015). Impasses no atendimento e assistência do migrante e refugiados na saúde e saúde mental.Psicologia USP,26(2), 169-174.

Lima, A. C. C., & Caponi, S. N. C. D. (2011). A força-tarefa da psiquiatria do desenvolvimento. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 21, 1315-1330.

Lima, A. I. O., Severo, A. K., Andrade, N. D. L., Soares, G. P., & Silva, L. M. D.(2013). O desafio da construção do cuidado integral em saúde mental no âmbito da atenção primária. Temas em Psicologia,21(1), 71-82.

Malfitano, A. P. S., Adorno, R. D. C. F., & Lopes, R. E. (2011). Um relato de vida, um caminho institucional: juventude, medicalização e sofrimentos sociais.Interface-Comunicação, Saúde, Educação,15, 701-714.

Martins, Anderson Luiz Barbosa. (2008). Biopsiquiatria e bioidentidade: política da subjetividade contemporânea. Psicologia & Sociedade,20(3), 331-339.

Mendonça, R. T., Carvalho, A. C. D. D., Vieira, E. M., & Adorno, R. D. C. F. (2008). Medicalização de mulheres idosas e interação com consumo de calmantes. Saúde e Sociedade,17, 95-106.

Moliner, J. D., & Lopes, S. M. B. (2013). Saúde mental na atenção básica: possibilidades para uma prática voltada para a ampliação e integralidade da saúde mental. Saúde e Sociedade, 22, 1072-1083.

Onocko-Campos, R. T., Passos, E., Palombini, A. D. L., Santos, D. V. D. D., Stefanello, S., Gonçalves, L. L. M., ... & Borges, L. R. (2013). A Gestão autônoma da medicação: uma intervenção analisadora de serviços em saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva,18, 2889-2898.

Pussetti, C.(2010). Identidades em crise: imigrantes, emoções e saúde mental em Portugal. Saúde e Sociedade, 19, 94-113.

Sanches, V. N. L., & Amarante, P. D. D. C. (2014). Estudo sobre o processo de medicalização de crianças no campo da saúde mental. Saúde em Debate,38, 506-514.

Rother, E. T. (2007). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), VII-VIII.

Zanchet, L., Palombini, A. D. L., & Yasui, S. (2015). Receituário mais que especial: uma intervenção urbana para pensar arte e pesquisa no contexto da Reforma Psiquiátrica. Interface-Comunicação, Saúde, Educação,19, 1039-1050.

Zorzanelli, R. T., Ortega, F., & Bezerra J. B. (2014). Um panorama sobre as variações em torno do conceito de medicalização entre 1950-2010. Ciência & Saúde Coletiva,19, 1859-1868.

Publicado
2019-06-21
Cómo citar
Dos Santos, R., & Zambenedetti, G. (2019). Comprensión del actual proceso de medicalización en el contexto de la salud mental. Salud & Sociedad, 10(1), 22-37. https://doi.org/10.22199/S07187475.2019.0001.00002
Sección
Artículos