Inventário do sexismo ambivalente em brasileiros: sua acurácia estrutural

Palabras clave: Sexismo, Análise estrutural, Acurácia, Sexism, Structural analysis, Assessment,

Resumen

O sexismo ambivalente é compreendido como um conjunto de estereótipos sobre a avaliação cognitiva, afetiva e atitudinal acerca do papel apropriado na sociedade dirigida aos indivíduos de acordo com o sexo, avaliado no caso das mulheres como sexismo hostil e sexismo benévolo. Neste estudo, tem-se como objetivo comprovar a manutenção da estrutura bidimensional desse constructo. Quatro amostras de homens e mulheres, com idade de 16 e 60 anos, responderam o inventário de sexismo ambivalente; este, constituído por 22 itens e respondidos em escala de cinco pontos, tipo Likert. O inventário foi aplicado individualmente nas instituições de ensino fundamental, médio e universitário, garantindo o anonimato e a confidencialidade das respostas dos sujeitos. Os indicadores psicométricos, encontrados, calculados no programa AMOS GRAFICS 7.0, confirmaram a existência dos dois fatores, em todas as amostras se assemelhando aos encontrados nos estudos brasileiros e transculturais.Ambivalent sexism refers to a series of stereotypes that affect the cognitive, affective and attitudinal assessment of individuals in relation to their gender roles. In the case of women, ambivalent sexism comprises two dimensions, hostile sexism and benevolent sexism. The objective of this study was to verify the bi-dimensional structure of the construct. Four samples of men and women, between the ages of 16 and 60, completed the ambivalent sexism inventory. This instrument consists of 22 items and the answers are given using a five-point Likert scale. The inventory was administered individually in elementary, high school and university institutions. Anonymity and confidentiality of the information provided was guaranteed to all subjects. The psychometric indicators –calculated with the program AMOS GRAFICS 7.0– confirmed the existence of two factors in all samples, supporting findings reported by previous Brazilian and other transcultural studies.

Biografía del autor/a

Nilton S. Formiga, Universidade Federal da Paraíba.
O autor é doutor em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba. Atualmente, é professor no curso de Psicologia na Faculdade Mauricio de Nassau – JP.

Citas

Aguiar, N. (1997). Gênero e ciências humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das mulheres. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos.

Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL: Basic applications and programming for confirmatory factor analytic models. New York: Springer-Verlag.

Ferreira, M. C. (2004). Sexismo hostil e benevolente: inter-relações e
diferenças de gênero. Temas em Psicologia, 12 (21), 119–126.

Formiga, N. S. & Camino, L. (2001). A Dimensão do Inventário de Papeis Sexuais (BSRI): A masculinidade e feminilidade em universitários. Estudos de Psicologia,18, (2), 41-49.

Formiga, N. S. (2005). Estrutura fatorial do inventário de sexismo ambivalente a partir da análise dos eixos principais. Psicólogo Informação, 9 (9), 09-28.

Formiga, N. S., Gouveia, V. V. & Santos, M. N. (2002). Inventário de sexismo ambivalente: sua adaptação e relação com o gênero. Revista Psicologia em estudo, 7 (1),105-111.

Formiga, N. S.; Yepes, C. F.; Alves, I.; Ayroza, I.; Teixeira, J. & Curado, F. (2004). Flagrando o preconceito: Uma análise descritiva das atitudes preconceituosas frente aos negros, mulheres e homossexuais. Anais do XXXIV reunião anual da sociedade brasileira de psicologia. Formação do psicólogo brasileiro: História de desafios e conquistas. Ribeirão Preto - SP. 26 a 29 de Outubro. [Resumo Eletrônico].

Formiga, N. S. (2011). Inventário de sexismo ambivalente: Um estudo a partir da modelagem de equação estrutural. Mimeo.

Garson, G. D. (2003). PA 765 Statnotes: An online textbook. Endereço de página Web: http://www2.chass.ncsu.edu/garson/pa765/statnote.htm (consultado dia 17 de maio de 2005).

Glick, P. & Fiske, S. T. (1996). The Ambivalent Sexism Inventory:
Differentiating hostile and benevolent sexism. Journal of Personality and Social Psychology, 70(3), 491-512.

Glick, P. & Fiske, S. T. (2001). Ambivalent stereotypes as legitimizing ideologies: Differentiating paternalistic and envious prejudice. In J. T. Jost & B. Major (Eds.) The psychology of legitimacy: Ideology, justice, and intergroup relations (pp. 278-306). New York: Cambridge University Press.

Glick, P., Fiske, S. T., Mladinic, A., Saiz, J. L., Abrams D., Masser, B. e cols. (2000). Beyond prejudice as simple antipathy: Hostile and benevolent sexism across cultures. Journal of Personality and Social Psychology, 79 (5), 763-775.

Hair, J. F.; Tatham, R. L.; Anderson, R. E.; Black, W. (2005). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman.

Joreskög, K., & Sörbom, D. (1989). LISREL 7 user's reference guide. Mooresville: Scientific Software.

Kelloway, E. K. (1998). Using LISREL for structural equation modeling: A researcher’s guide. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Marodin, M. (1997). As relações entre o homem e a mulher na atualidade. Em: Marlene N. Strey (Org.). Mulher: Estudos de gênero (pp.09-18). São Leopoldo: Unisinos.

Munanga, K. (2002). Prefácio. Em: I. Carone e M. A. S. Bento (Orgs.). Psicologia social do racismo: Estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil (pp. 9-11). Petrópolis: Vozes.

Pettigrew, T. F. & Meertens, R. W. (1995). Subtle and blatant prejudice in Western Europe. European journal of social psychology, 25, 57-75.

Siano, J. A. (2000). Constituição da Republica Federativa do Brasil. São
Paulo: Editora Rideel.

Swim, J. K., Mallett, R. & Stangor, C. (2004). Understanding Subtle Sexism: Detection and Use of Sexist Language. Sex Roles, 51 (3/4), 117-128.

Swin, J. K., Aikin, K. J., Hall, W. S. & Hunter, B. A. (1995). Sexism and racism: Oldfashioned and modern prejudices. Journal of Personality and Social Psychology, 68, 199-214.

Tabachnick, B. G. & Fidel, L. S. (1996). Using multivariate statistics. Harper Collins: New York, NY.

Thomas, C. A. & Esses, V. M. (2004). Individual differences in reactions to sexist humor. Group Processes & Intergroup Relations, 7 (1), 89–100.

Tougas, F., Brown, R., Beaton, A. N. & Joly, S. (1995). Neosexism: Plus ça change, Plus c‟est pareil. Personality and social psychology behavior, 21 (8), 842-849.

Van de Vijver, F.; Leung, K. (1997). Methods and data analysis for cross-cultural research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.
Publicado
2016-11-17
Cómo citar
Formiga, N. (2016). Inventário do sexismo ambivalente em brasileiros: sua acurácia estrutural. Salud & Sociedad, 2(2), 192-201. https://doi.org/10.22199/S07187475.2011.0002.00005
Sección
Artículos