Socialização ética, sentimento anômico e condutas desviantes: Verificação de um modelo teórico em jovens.

Palabras clave: Socialização ética, Anomia, Condutas desviantes, Socialization ethics, Anomie, Deviant conducts, Adolescents, Adolescentes,

Resumen

A delinquência juvenil tem sido explicada por variáveis psicológicas e sociológicas; devido a complexidade desse problema, exige-se, uma leitura a partir de uma compreensão psicossocial. Esta deve contemplar o papel dos valores morais e das ações institucionais de controle, as quais, fragilizadas quanto o estabelecimento de uma conduta socialmente desejável e a transmissão de uma ética e moral, pois, são responsáveis pelo surgimento de um estado de sentimento anômico, consecutivamente, da conduta desviante. Neste estudo pretende-se verificar a associação entre socialização ética, sentimento anômico e conduta Desviante. Duzentos e trinta e cinco Jovens, de 13 a 20 anos, do sexo masculino e do sexo feminino, responderam a escala de sentimento anômico, de condutas antissociais e delitivas e de crença juvenil sobre o esforço dos pais para transmissão de valores morais e princípios éticos. Observou-se uma associação positiva do sentimento anômico e a conduta desviante, com elas se associando, negativamente, a socialização ética.Juvenile delinquency has been explained by psychological and sociological variables; due to the complexity of this problem, it is required, a reading from a psychosocial understanding. This should address the role of moral values and actions of institutional control, which, weakened as the establishment of a socially desirable behavior and transmission of an ethical and moral, then, are responsible for the emergence of an anomic state of feeling, consecutively, of deviant behavior. This study aims to investigate the association between socialization ethics, and anomic feeling deviant behavior. Two hundred and thirty-five youth from 13 to 20 years, male and female, responded to the scale of anomic feeling of antisocial and criminal behavior and youth belief on the efforts of parents to transmit moral values and ethical principles. There was a positive association of feeling anomic and deviant conduct, associating with them negatively the ethic socialization.

Biografía del autor/a

Nilton S. Formiga, Universidade Federal da Paraíba.
Doutor em Psicologia Social pela Universidade Federal da Paraíba; atualmente é professor no curso de Psicologia na Faculdade Mauricio de Nassau.

Citas

Abbagnano, N. (1998). Dicionário de Filosofia. São Paulo-SP: Martins Fontes.

Adorno, S. (2002). Exclusão sócio-econômica e violência urbana. Sociologias, 8, 84-135.

Agnew, R. (1997). The nature and determinants of strain: another look at Durkheim and Merton. In Agnew, Robert and Passas, Nikos (eds.). The future of anomie theory. (pp. 27-51). Boston: Northeastern University Press.

Arendt, H. (2009). Sobre a violência. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Baron, R. M. & Kenny, D. A. The moderatormediator variable distinction in social psychological research: conceptual, strategic and statistical considerations. Journal of Personality and Social Psychology, 51 (6), 1173-1182, 1986.

Bauman, Z. (1998). O Mal-Estar da PósModernidade. 1.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Bauman, Z. (2001). Modernidade Liquida. Rio de Janeiro-RJ: Jorge Zahar Editora.

Beato, C. F.; Peixoto, B. T. & Andrade, M. V. (2004). Crime, oportunidade e vitimização. Revista brasileira de ciências sociais, 19 (55), 75-89.

Bilich, F.; Silva, R. & Ramos. P. (2006). Análise de flexibilidade em economia da informação: modelagem de equações estruturais. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, 3(2), 93-122.

Byrne, B. M. (1989). A primer of LISREL: Basic applications and programming for confirmatory factor analytic models. New York: Springer-Verlag.

Caliman, G. (2006). Desvio social e delinquencia juvenil: Teorias e fundamentos da exclusão social. Brasília: Universa.

Camino, L. (1996). Uma abordagem sociológica ao estudo do comportamento político. Psicologia & Sociedade, 8, 16-42.

Carvalho, P. (2010). Gangues de rua em Luanda: De passatempo a delinquência. Sociologia, Problemas e Práticas, 63, 71-90.

Chauí, M. (1999). Convite à Filosofia. São Paulo-SP: Atica.

Coffey, C., Veit, F., Wolfe, R., Cini, E. & Patton, G. C. (2005). Morality in young offenders:retrospective cohort study. British Medical Journal, 326, 1-4.

De Giorgl, R. (2005). Il diritto nella società del rischio. In: Giorgi, R. & Magnolo, S. (Org.). Mondi della società del mondo. (p.23-55). Lecce: Edizioni pensa multimedia.

Deflem, M. (1989). From anomie and anomic depression: A sociological critique on the use of anomie in psychiatric research. Social Science & Medicine, 29, 627-634.

Durkheim, É. (1893/1995). As regras do método sociológico. São Paulo, Ed. Martins Fontes. Publicado originalmente em 1893.

Durkheim, É. (1894/2004). Da Divisão Social do Trabalho. São Paulo, Ed. Martins Fontes. Publicado originalmente em 1930.

Durkheim, É. (1897/2000). O suicídio. São Paulo, Ed. Martins Fontes. Publicado originalmente em 1897.

Durkheim, É. (1925/2002). Lições de Sociologia. São Paulo, Martins Fontes. Publicado originalmente em 1925.

Eisemberg, M. (1999). Corporate law, social norms and belief systems. Berkeley Olin Program in Law & Economics, Working Paper Series, 30, 1-63.

Feijó, M. C. C. (2001). Raízes da violência: a importância da família na formação da percepção, da motivação e da atribuição de causalidade de adolescentes infratores e de seus irmãos não infratores. Tese de Doutorado não-publicada, Escola Nacional de Saúde Pública/Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

Formiga, N. S. & Diniz, A. (2011). Estilo da orientação cultural e condutas desviantes: Testagem de um modelo teórico. Pesquisa em Psicologia, 5 (1), 2-11.

Formiga, N. S. & Gouveia, V. V. (2003). Adaptação e validação da escala de condutas anti-sociais e delitivas ao contexto brasileiro. Psico, 34 (2), 367-388.

Formiga, N. S. & Souza, M. A. (2011). Escala de sentimento anômico: Verificação de sua estrutural fatorial em brasileiros. Revista de psicologia da Gepu, 2 (2), 80-97.

Formiga, N. S. (2003). Fidedignidade da escala de condutas anti-sociais e delitivas ao contexto brasileiro. Psicologia estudo, 8 (2), 133-138.

Formiga, N. S. (2005). Comprovando a hipótese do compromisso convencional: Influência dos pares sócio-normativos sobre as condutas desviantes em jovens. Psicologia: ciência e profissão, 25 (4), 602-613.

Formiga, N. S. (2011a). Teste empírico de um modelo teórico entre o estilo de orientação cultural e as condutas desviantes em jovens de diferentes contextos sócioescolares. Psicologia Argumento, 29 (4). No prelo.

Formiga, N. S. (2011b). Valoração da família e condutas desviantes: testagem de um modelo teórico. Psico, 42, 376-385.

Formiga, N. S. (2011c). Teste de um modelo causal entre valores humanos e condutas desviantes em jovens. Salud & Sociedad, 2, 80-88.

Formiga, N. S., Camino, C. & Galvão, L. (2009). Empatia, desenvolvimento moral e conduta desviante em adolescentes: testagem de um modelo teórico. In: VII Congresso Brasileiro de Psicologia do Desenvolvimento, 2009, Rio de Janeiro. (pp. 541-542). Rio de Janeiro, RJ: CBPD.

Formiga, N. S., Estevam, I. D., Camino, C., Mathias, A. & Santos, J. B. (2010). Montando o Quebra - Cabeça da Violência entre os Jovens: Testagem de um Modelo Teórico. In: I congresso internacional adolescência e violência: Perspectiva clínica educacional e jurídica. Brasilia - DF. [Resumo eletrônico].

Gadea, C. A. (2006). Pós-modernidade, razão e ordem moderna. In: Brüseke, F. J. e Serrano, A. I. (Org.). Paradigmas da modernidade e sua contestação. Florianópolis: Insular. p. 313-338.

Garcia, G. (2006). Apuntes al concepto de anomia de Robert Merton. Sigma, 2, 110- 119.

Garson, G. D. (2003). PA 765 Statnotes: An online textbook. Endereço de página Web: http://www2.chass.ncsu.edu/garson/pa765/statnote.htm (consultado dia 29 de outubro de 2009).

Giddens, A. (1998). Durkheim e a questão do individualismo. In: Politica, sociologia e teoria social: Encontros com o pensamento social clássico e contemporâneo. (p. 147-168). São Paulo: Unesp.

Giddens, A. (2005). Sociologia. Porto Alegre: Artmed. 4ª edição.

Giddens, A. (2007). Las nuevas reglas del método sociológico: Crítica positiva de las sociologias comprensivas. Buenos Aires: Amorrortu editores.

Girola, L. (2005). Anomia e individualismo: del diagnóstico de la modernidad de Durkheim al pensamiento contemporáneo. Barcelona: Anthropos.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L. & Black, W. (2005). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre: Bookman.

Huertas, D. O. (2009). Durkheim: La perspectiva funcionalista del delito en La criminologia. Revista de criminologia, 51 (2), 103-115.

Idhac (2009). Sociedades más integradas. In: Abrir espacios para la seguridad ciudadana y el desarrollo humano. Informe sobre Desarrollo Humano para América Central. (p. 227-289). Programa de las Naciones Unidas para el Desarrollo – PNUD: Colômbia.

Index psi. (2011). Sentimento anômico, condutas desviantes e moral; anomia, delinquência, ética e jovens. (Pagina da web: http://www.scielo.br. Pesquisa realizada em 05 de Dezembro de 2011).

Jerphagnon, L. (1992). História das grandes filosofias. São Paulo-SP: Martins Fontes.

Joreskög, K. & Sörbom, D. (1989). LISREL 7 user's reference guide. Mooresville: Scientific Software.

Kahn, T. (1999). Os custos da violência: quanto se gasta ou deixa de ganhar por causa do crime no estado de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, v. 13, n. 4, p. 42-48.

Kelloway, E. K. (1998). Using LISREL for structural equation modeling: A researcher’s guide. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Lalande, A. (1999). Vocabulário Técnico e crítico da filosofia. São Paulo-SP: Martins Fontes.

Laswell, H. (1952). The Threat to Privacy. In: MacIver, R. (Ed.). Conflict of loyalties. New York, USA: Harper & Bros.

Laub, J. H. & Vaillant, G. E. (2000). Delinquency and mortality: A 50-year follow-up study of 1,000 delinquent and nondelinquent boys. The American Journal of Psychiatry, 157, 96-102.

Licht, A. The pyramid of social norms . Journal of Economic Behavior and Organization, 11, 1-25, 2002.

Lipovetsky, G. (1986). La era del vacío: Ensayos sobre el individualismo contemporáneo. Barcelona: Editorial Anagrama.

Magalhães, A. R. (1998). Pós-modernidade, ruptura ou revisão? São Paulo: Cidade Nova.

Markenson, R. (1993). Ética e modernidade. Revista de filosofia, 2,3-7.

Maxwell, S. The social norms of discrete consumer exchange: classification and quantification. American Journal of Economics and Sociology, 58 (4), 999-1018, 1999.

McClosky, H. (1976). On Durkheim, Anomie, and the Modern Crisis. American Journal of Sociology, 81 (6), 1481-1488.

McClosky, H. (1978). Anomie, egoisme, and the modern world: Suicide, Durkheim and Weber, modern cultural traditions, and the first and second protestant ethos. Tese de Doutorado não-publicada. Eugene: Oregon.

McClosky, H. & Schaar, H. (1965). Psychological dimensions of anomy. American Sociological Review, 30 (1), 14-40.

McDavid, J. W.; Harari, H. Psicologia e comportamento social. Rio de Janeiro: Interciência, 1984.

Merton, R. (1938/2002). Teoría e estructura sociales. México: Fondo de cultura económica. Publicado originalmente em 1938.

Minayo, M. C. S., Assis, S. G., Souza, E. R., Njaine, K., Deslandes, S. F., Silva, C. M. F. P., Fraga, P. C. P., GomES, R., Abramovay, M., Waiselfisz, J. J. & Monteiro, M. C. N. (1999). Fala galera: Juventude, violência e cidadania na cidade o Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: RJ. Garamond.

Molina, A. G-P. & Gomes, L. F. (1997). Criminologia: Introdução aos seus fundamentos teóricos. São Paulo, SP: Editora Revista dos Tribunais.

Moreira, J. O., Rosário, A. B. & Costa, D. B. (2008). Criminalidade juvenil no Brasil pósmoderno: Algumas reflexões psicossociológicas sobre o fenômeno da violência. Revista mal-estar e subjetividade, 7 (4), 1021-1046.

Mulvey, E. P. & Cauffman, E. (2001). The Inherent Limits of Predicting School Violence. American Psychologist, 56 (10), 797-802.

Neto, O. B. (2004). O conceito de desvio na teoria social contemporânea: Modernidadee controle. Teoria e política social, 1 (1), 1-36.

Olmo. R. (1999). Violencia juvenile y consumo de drogas: Modelos teóricos (Algumas inquietudes preliminares). Anais do congresso virtual sobre violencia juvenil y consumo de drogas. Endereço pagina da web: http://www.fad.es/sala_lectura/CongresoViolencia.pdf. (consulta feita em 15 de Março de 2008)

Paixão, A. L. (1983). Crimes e criminosos em Belo Horizonte: 1932-1978. In: P. S. Pinheiro (orgs). Crime, violência e poder. São Paulo: Brasiliense.

Pequeno, N. L. P. ; Santos, J. B.; Camino, C.; Mathias, A.; Formiga, N. S. ; Couras, P. & Queiroz, P. (2009). Sentimentos empáticos de adolescentes em diferentes sitações sociais. in: VII Congresso Brasileiro de Psicologia do Desenvolvimento: Desenvolvimento e Direitos Humanos. (p. 180-181).

Piaget, J. (2004). Seis estudos de psicologia (24ª ed.). Rio de Janeiro: Forense Universitária. (obra original publicada em 1964)

Pino, A. (2007). Violência, educação e sociedade: Um olhar sobre o Brasil contemporâneo. Educação & sociedade, 28 (100), 763-785.

Reyes, M. V. (2008). Anomia y criminalidad: Um recorrido a través del desarollo conceptual del término anomia. Revista criminalidad, 50 (1), 319-332.

Rodriguez, J. M. G. (2006). Analisis comparativo de confiabilidad e validez de dos escalas de anomia. Revista interamericana de psicologia, 40 (2), 193-204.

Sanmartín, J. (2006). Que es esa cosa llamada violencia? Suplemento del boletín diario de campo, 1, 11-29.

Santos, M. J. & KASSOUF, A. L. (2008). Estudos Econômicos das Causas da criminalidade no Brasil: Evidências e Controvérsias. Economia, 9 (2), 343-372.

Scielo. (2011). Anomia, ética e conduta desviante. (Pagina da web: http://www.scielo.br. Pesquisa realizada em 20 de Novembro de 2011).

Seisdedos, N. C. (1998). Cuestionario A – D de conductas antisociais – delictivas. Madri: TEA.

Sherif, M. (1936). The psychology of social norms . New York : Harper & Brothers, Sigelmann, E. (1981). Anomia e desorganização: estudo psicológico em contexto brasileiro. Tese de Doutorado não-publicada Rio de Janeiro: ISOP.

Sorj, B. & Martuccelli, D. (2008). O Desafio Latino-Americano: coesão social e democracia. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

Souza, M. A., Santos Neto, S. C. & Souza, I. (2003). Validação de um Instrumento para Medida da Anomia. XXVIII Reunião Anual de Psicologia. Anais. (p. 258-259). Belo Horizonte: SBP.

Srole, L. (1956). Social integration and certain corollaries. American Sociological Review, 21, 709-716.

Tabachnick, B. G. & Fidell, L. S. (1996). Using multivariate statistics. Needham Heights, MA: Allyn & Bacon. Tocqueville, A. (1973). “A democracia na América”. In: Federalistas. São Paulo: Abril Cultural, pp. 185-285. (Coleção Os Pensadores, 29).

Travis, R. (1993). The MOS alienation scale: an alternative to Srole’s anomia scale. Social Indicators Research, 28, 71-91.

Van De Vijver, F. & Leung, K. (1997). Methods and data analysis for cross-cultural research. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Vaz, H. C. L. (1993). Escritos de filosofia II: Ética e cultura. São Paulo-SP: Loyola.

Waiselfisz, J. (2008). Mapa da violência dos municípios brasileiros. Brasília: DF. Organização dos estados iberoamericanos para a educação, a ciência e a cultura: OEI.
Publicado
2016-11-22
Cómo citar
Formiga, N. (2016). Socialização ética, sentimento anômico e condutas desviantes: Verificação de um modelo teórico em jovens. Salud & Sociedad, 3(1), 32-48. https://doi.org/10.22199/S07187475.2012.0001.00003
Sección
Artículos