Participação social e familiar de idosas vinculadas a um grupo de convivência de uma comunidade de Baixa renda em Curitiba-PR

  • Ana Claudia Wanderbroocke Universidade Tuiuti do Paraná. http://orcid.org/0000-0002-2876-5326
  • Anneliese Wiedemann Universidade Tuiuti do Paraná.
  • Cleide Bussolin Universidade Tuiuti do Paraná.
Palabras clave: Idoso, Comunidade de baixa renda, Relações familiares, Relações sociais, Senior citizens, low-income community family relations, social relations,

Resumen

Introdução: O Brasil vem apresentando um aumento significativo na expectativa de vida de sua população. Os idosos, assim como podem estar expostos a situações de maior vulnerabilidade, também podem contribuir significativamente para a manutenção da estrutura familiar. Objetivo: caracterizar as relações familiares e sociais de idosas participantes de um grupo de convivência de uma comunidade de baixa renda. Métodos: A pesquisa toma como base o referencial sistêmico, que parte do pressuposto da interdependência entre os membros da família e o contexto social em que as mesmas estão inseridas. Participaram 19 mulheres, sendo a média de 68 anos, integrantes de um grupo de convivência para idosos, realizado no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), que atende a uma comunidade de baixa renda na região metropolitana de Curitiba-PR. Resultados: A partir dos dados obtidos, foi possível perceber a importância atribuída a vida familiar pelas participantes, que a consideraram como organizadora de suas vidas. As idosas exerciam papel central na família, tanto pelo desempenho das tarefas domésticas, quanto de orientações e cuidados, pois se mantinham saudáveis e ativas. Conclusão: Para a maioria das entrevistadas o CRAS tem um papel socializador, proporcionando o sentimento de pertencimento, devido a identidade grupal. Introduction: Life expectancy in Brazilian population has increased considerably in the last years. Senior citizens, although exposed to situations of greater vulnerability, also contribute significantly to the maintenance of family structure. Objective: To characterize the family and social relationships of senior citizens in a social group living in a low income community. Method: The research builds upon the systemic reference premise of interdependency between family members and the social context in which they are embedded. Nineteen women with an age average of 68 participated in the research. They are members of a support group for the elderly, held at the Reference Centre for Social Assistance (CRAS), which serves a low-income community in the metropolitan region of Curitiba-PR. Results: Results show senior citizens are key members of family life. They exercised central roles in the family, from the performance of household tasks to guidance and care since they remained healthy and active. Conclusions: It was also observed that for most subjects the CRAS has a socializing role, providing a sense of belonging due to group identity.

Citas

Araújo, S.G (2001). O fenômeno de favelização da Vila Zumbi dos Palmares Colombo. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado na Universidade Tuiuti do Paraná, Curitiba-PR, Curso de Geografia com Ênfase em Geoprocessamento.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Batistoni, S.S.T.; Prestes, S.M.; Cachioni, M.; Falcão, D.V.S.; Lopes, A.; Yassuda, M.S. et. al. (2015). Categorização e identificação etária em uma amostra de idosos brasileiros residentes na comunidade. Psicol. reflex. crit; 28(3): 511-521.

Brasil. (1994). Lei nº 8.842 de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso. Brasília, Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Camarano, A.A. (2001). Envelhecimento da população brasileira: problema para quem? Bahia Análise & Dados 10(4): 36-48.

Costa, E. F. A.; Porto, C. C.; Soares, A. T. (2003). Envelhecimento populacional brasileiro e o aprendizado de geriatria e gerontologia. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez. Acesso em 25/03/2013,www.proec.ufg.br.

Coutrim, R. M.; (2006). Idosos trabalhadores: perdas e ganhos nas relações intergeracionais. Sociedade e Estado, Brasília, 21(2): 367-390.

Couto, M.C.P.; Novo, R.F.; & Koller, S.H. (2009). Relações entre rede de apoio social, bem-estar psicológico e resiliência na velhice. En Falcão, D.V.S & Araújo, L.F. (orgs.) Psicologia do envelhecimento: relações sociais, bem estar subjetivo e atuação profissional em contextos diferenciados (pp.45-66).

Campinas, SP: Alínea. Elvas, S. & Moniz, M. J. V. (2010). Sentimento de comunidade, qualidade e satisfação de vida. Análise Psicológica, 3(XXVIII), 451- 464.

Gil, A. C. (1991) Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Freitas, D.G.; Rocha, M.A.S; Silva, R.F.S & Breda, V. (2005). Idoso provedor de família. Trabalho de Conclusão de Curso, apresentado nas Faculdades Integradas Antônio Eufrásio de Toledo, curso de Serviço Social, Presidente Prudente-SP.

Guedea, M.T.D.; Albuquerque, F.J.B.; Tróccoli, B.T.; Noriega, J.A.V.; Seabra, M.A.B.; & Guedea, R.L.D. (2006). Relação do bem-estar subjetivo, estratégias de enfrentamento e apoio social em idosos. Psicologia Reflexão e Critica, 19(2):301-308.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2007). IBGE divulga indicadores sociais dos últimos dez anos. Acesso em: 30/06/2008, http://www.ibge.gov.br/home/presidência/noticias/noticia_impressao.php?id_noticia=987

Martins, P.P.S.; McNamee, S. & GuanaesLorenzi, C. (2015). Família como realização discursiva: uma explicação relacional. Nova Perspectiva Sistêmica, 52, 9-24.

Minuchin, S. (1982). Família: funcionamento e tratamento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Morin, E. (2007). Introdução ao pensamento complexo. (3ª. ed.) Porto Alegre: Sulina.

Neri, A. L. (2007). Qualidade de vida na velhice: Um enfoque multidisciplinar. Campinas, SP: Alínea.

Ochoa, G.M.; Olaizola, J.H.; Espinosa, L.M.C.; Martínez, M.M (2004). Introducción a la Psicología Comunitaria. Ed. UOC. Barcelona. España.

Ochoa, G. M.; Olaizola, J.; Espinosa, L. M. & Martínez, M. (orgs). Introducción a la psicología comunitaria. Barcelona: Editorial UOC.

Penso, M.A.; & Morais, I.A. (2009). O ciclo da violência em famílias com idosos. In: Teixeira, S. M. & Rodrigues, V.S. (2009). Modelos de família entre idosos: famílias restritas ou extensas? Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 12(2). Acesso em 12/05/10, www.scielo.br.

Sarti , C. A. (2008). Famílias enredadas. In: Acosta, A. R.; Vitale, M. A.(orgs.) Famílias: Redes, Laços e Políticas Públicas. 4.ed. São Paulo: Cortez.

Silva, D.M.; Vilela, A.B.A.; Nery, A.A.; Duarte, A.C.S.; Alves, M.R. & Meira, S.S.(2015). Dinâmica das relações familiares intergeracionais na ótica de idosos residentes no Município de Jequié (Bahia), Brasil. Ciênc. Saúde coletiva, 20(7): 2183-2191.

Silva, C.; Arantes, R. & Ferreira, V. (2012). Divisão sexual e divisão racial do trabalho. In: Silva, C; Arantes, R; Ferreira. Nosso Trabalho Sustenta o Mundo. ed. 02. Recife: SOS Corpo, 2012. 92 p.

Silva, D.M.; Vilela, A.B.A.; Oliveira, D.C. & Alves, M.R. (2015). A estrutura da representação social de família para idosos residentes em lares intergeracionais. Rev. enferm. UERJ, 23(1): 21-26.

Unicovsky, M. A. R. (2004). A educação como meio para vencer desafíos impostos aos idosos. Revista Brasileira de Enfermagem. vol.57 n°.2 Brasília Mar./Apr.

Vera, I.; Lucchese, R.; Nakatani, A.Y.K.; Sadoyama, G.; Bachion, M.M.; Silva, V. et al. (2015). Fatores associados à disfuncionalidade familiar em idosos não institucionalizados. Texto-contexto Enfermagem, 24 (2). Acesso em 19/11/2015 em http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015001602014

WHO. World Health Organization. (1946). Constitution of the World Health Organization. Basic Documents, WHO, Genebra.
Publicado
2016-12-12
Cómo citar
Wanderbroocke, A. C., Wiedemann, A., & Bussolin, C. (2016). Participação social e familiar de idosas vinculadas a um grupo de convivência de uma comunidade de Baixa renda em Curitiba-PR. Salud & Sociedad, 6(3), 212-222. https://doi.org/10.22199/S07187475.2015.0003.00002
Sección
Artículos

Artículos más leídos del mismo autor/a